Em algum lugar

(...) estava concluindo meu Ensino Médio. 
Lembro com saudades daquele período e também tenho saudades daquela turma de colegas e amigos. 
Mesmo sentando sempre na primeira fila, me entrosava bem com a turma do fundo. 
E nessa turma havia um que me impressionava, mesmo sem  ter muito contato pessoal.
Podia assegurar que ele tinha um dom ímpar e divino. Ele escrevia de tudo. Eu via aquela mão fazendo escritos que pareciam livros. Escrevia belas poesias nos intervalos das aulas, à pedidos, e em troca,   sempre recebia algo para comprar seu lanche. 

Ele chegava sempre muito sujo, com fome e sem material, e por essa razão sofria muito com a arrogância preconceituosa de alguns outros colegas .Também, não era um aluno muito assíduo e assim, nunca sabíamos se iria voltar no dia seguinte.
Por isso, dias se passaram sem que ninguém da escola soubessem de nada. Apenas acharam estranho o seu desaparecimento.
À ser reprovado por faltas , a professora pediu - me para avisá lo. 

Ele morava alguns quarteirões da escola, e para chegar em sua casa, tinha que passar por um grande terreno baldio, tomado por um capinzal. 
Me pareceu uma região muito pobre e violenta. 
Não onde morava exatamente, mas o seu entorno. 

Tentei conversar e explicar o motivo de minha presença , mas ele não quis me ouvir. 
Infelizmente, a realidade dele era outra. 
Ele cuidava de sua mãe muito doente. Que, pouco tempo depois,  faleceu.  E  o dinheiro que ganhava, fazendo uns serviços extras de ajudante de marceneiro , usava para comprar drogas (...)

(...) foi preso por tráfico... 

E hoje eu estou aqui , na Penitenciária,  participando de um Workshop e Oficina de Criação Poética para presos. 
Em pé onde estava, segurava entre suas mãos, como se segura um pássaro sem asas entre elas, uma poesia numa folha de papel. 
Ele a olhava sorrindo. Sorriu para mim e me entregou...

 " A imensidão do vivido
   Se fortalece.
   Vejo remoto o ontem           próximo.
   Sei que há tanto que           passou
   Há tanto que virá.
   E que em algum momento
   De algum lugar                 perdido.
   Na penumbra da            madrugada solitária
   Encontrarei tudo que           eu perdi..."
  
   "Esse conto é uma ficção, Qualquer semelhança com fatos ou pessoas é uma mera coincidência..."Ou não!
  Repaginada
  Imagem:Google
 
15 à 17/Novembro/2013

Comentários

  1. Em sendo uma ficção, em muito assemelha-se a muitos casos verdadeiros, muito realistas, que nos deparamos hoje... Infelizmente!
    Seu post é muito reflexivo. Atualíssimo!
    Abraço,
    Célia.

    ResponderExcluir
  2. Un relato cargado de emotividad y sentimiento... que historia tan fuerte y a la vez tan real!

    Un placer leerte Junior, te dejo un fuerte abrazo, buen fin de semana!

    ResponderExcluir
  3. Felisberto, mera coincidência ou não, o conto é belíssimo e tão real, tão próximo, tão possível. Quantos de nós já esbarramos com alguém à margem da sociedade, sem padrões estéticos e de asseio e que tinha na "manga uma carta", um dom, um talento que não houve oportunidade, possibilidade.
    Gostei, muito sensível.
    Tenha um bom feriado! Bj

    ResponderExcluir
  4. Amigo Felisberto, seus contos são tão reais que é mesmo bom que digas ser ficção, pois assemelha-se por demais da realidade, viver está sendo uma grande proeza para muitos que estão em terrível situação, presos física e até moralmente ao perigo das drogas e do tráfico, como todos sabem, o fim é prisão ou morte!
    Amei ler, foi mesmo bem escrito, nos faz refletir!
    Abraços!

    ResponderExcluir
  5. Olá Felis!

    Posso dizer que,além de ser bem escrito, trata-se de um fato tão presente na nossa realidade,ficaria difícil acreditar que é apenas ficção.

    Parabéns, a poesia tbm é muito linda e, profundamente ,profunda!

    Minha net tá bem lenta, e por isso talvez tenha se repetido varias vezes o commmn, nesse caso, exclua os demais.

    Obrigada e fique feliz...Felis

    ResponderExcluir
  6. Realmente é difícil em dizer que é uma ficção.
    Suas palavras são tão reais e verdadeiras,que nos passam como um conto verídico.
    Parabéns amigo Felis
    bjs
    Carmen Lúcia-mamymilu

    ResponderExcluir
  7. Olá, amigo Felis
    Sabe, quando pertencia à Pastoral Carcerária, vivenciei experiência muito humana...
    Se a gente acreditar que lá não tem gente e todos não passam de 'criminosos'... em nosso pobre pensar, estamos perdidos...
    A sensibilidade é dom para todos...
    Muito bonito o conto fictício!!!
    Bjs fraternos de paz e bem

    ResponderExcluir
  8. Olá querido amigo.
    Fiquei emocionada mesmo sabendo que não é real, somente um conto que se assemelha a tantas historias reais que acontece por ai. Acho que nos envolve para olharmos estas pessoas que vivem no vicio com mais humanidade.
    Parabéns pelo belíssimo conto, gostei muito. A poesia é linda.
    Deixando meu carinho. Beijos.

    ResponderExcluir
  9. Olá Amigo, boa noite!
    Esse texto é bem real, isso acontece diariamente na vida de muitos jovens, que larga o estudo p/ trabalhar, ajudar a família e o pior ainda envolve com as drogas.
    Se os colegas não tivessem preconceito contra ele, dessem apoio no início, talvez ele não teria entrado no mundo das drogas, pois todo mundo merece uma oportunidade.
    Parabéns pelo seu texto tão real!

    Beijos, ótimo fds!

    ResponderExcluir
  10. Feliz,

    Seus contos parecem narrativas de algumas passagens da vida, seja sua ou de outra pessoa.

    Beijos e otimo final de semana.

    ResponderExcluir
  11. Nossa quando li pensei que fosse um amigo seu....parece tão real. ou tem algo por ai parecido.....Eu tenho certeza que dentro desses presídios
    existe , cantores, atores, poetas, e muito mais, mas a união das drogas, não deixa a beleza nascer.
    São flores mortas, é uma pena mesmo
    mas esse conto é maravilhoso
    Bom final de semana meu lindo poeta

    Bjussss

    __________Rita!!!

    ResponderExcluir
  12. Boa noite querido , a minha visita hoje é para divulgar meu novo blog. Criei mais um com o nome FILOSOFANDO NA VIDA, para postar minhas produções textuais, pensamentos e poesias. Ficarei feliz com sua visita e se me de o prazer de curtir mais este projeto.
    O linque do blog é:
    http://filosofandonavidaproflourdes.blogspot.com.br/
    Uma linda noite e que a paz Divina esteja sempre com você e sua família.
    Bjuss , Profª Lourdes Duarte

    ResponderExcluir
  13. Oi Felis!
    É sempre um prazer passar por aqui para ler teus textos, tão cheios de lições e tão cheios de vida.
    Você tem realmente um talento que me encanta!
    Obrigado por compartilhar conosco esta bela arte que por si só emociona a quem lê.
    Beijos!
    http://aspoderosas1.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  14. Que conto lindo(e triste), Felis! E muuuuuito bem escrito. Parabéns!

    Sucesso pra ti, poeta!

    Bjs!

    ResponderExcluir
  15. Que história, hein? E nada mais apropriado do que esse aviso final: "trama ficcional e qualquer semelhança com a realidade é mera coincidência, OU NÃO!" E parece real de fato. Abçs e bom fim de semana.

    ResponderExcluir
  16. Bom dia Felis !
    Parabéns pelo maravilhoso texto, parecendo uma história real, por ser algo que acontece em nossos dias atuais... mas sei que seu talento, sua criatividade transbordou nesse post !

    O conto e o poema casaram perfeitamente !


    Beijos !

    Fernanda Oliveira

    ResponderExcluir
  17. Parabéns pelo lindo conto meu amigo, já pensaste em publicar os seus transcritos?
    Desejo-lhe um ótimo final de semana. Beijos

    ResponderExcluir
  18. Qdo trabalhava em um órgão público na década de 80, haviam jovens da casa do trabalhador, outro órgão do governo estadual transformado depois em Febem. Naquela época eles trabalhavam até completar 18 anos, depois era largado à própria sorte. Um desses jovens, após completar 18 anos voltou ao crime, foi morto assaltando um posto de gasolina, assalto esse para financiar a fuga de um amigo seu preso por assaltar tb. Esse seu post, Felisberto, me fez lembrar desse jovem, Wellighton, era o seu nome. Ele era um jovem doce, querido por todos, não teve uma família que lhe desse estrutura, e a mão do estado mais uma vez abandonava àqueles que precisavam de assistência, como hoje. Abçs.

    ResponderExcluir
  19. da mais pura sensibilidade ... realidade ou não, isto não importe ...

    ResponderExcluir
  20. Olá Felisberto!@
    Que texto lindo!
    Sério, as vezes é triste observar que algumas mentes brilhantes se perdem.
    Bj

    ResponderExcluir
  21. Boa tarde, Felis.
    Eu pensei que fosse real, uma vez que, é o que costumamos ver se repetindo na vida, infelizmente.
    Infelizmente jovens com uma inteligência promissora se envolvem no mundo do tráfico e das drogas.
    É um caminho praticamente sem volta, a não ser para quem realmente quer sair dessa vida, que não é fácil.
    Parabéns, ficou ótimo.
    Beijos na alma e excelente feriado!

    ResponderExcluir
  22. Bom dia Felis.
    A maldita droga está em todos os lugares,na classe media,na pobreza e ainda mais na classe media alta.
    Esse conto nós faz refletir,isso é bom.
    Que todos os pais fique de olho nos seus filhos enquanto a tempo de os livrarem dessa maldição.
    O amor,o dialogo está cada vez menos na família,e isso é o caminho dos vícios.
    Lindissimo poema.
    Um ótimo dia.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  23. Um texto cheio de emoções e que há de retratar alguém que se perdeu nalgum momento da sua vida.
    Obrigada pelo carinho de sempre.

    ResponderExcluir
  24. Nossa nem sei o que dizer, lindo, triste...maravilhoso, vida real....arrasou um dos meus preferidos já!!!!

    ResponderExcluir
  25. Oi Felisberto, vim agadecer sua linda visita e por seguir meu novo blog. Voc~e é muito especial e tê-lo como seguidor daquele cantinho, é muito importante, seja sempre bem vindo. Já estou seguindo o seu com este perfil.
    Parabéns pelo poste, uma linda e emocionante história. Choerei ao ler, sou professora do Normal médio, e amo o que faço, pois apesar da idade já avançada , ainda estou na ativa.
    Abraços, fica na paz.

    ResponderExcluir
  26. Embora tendo aura ficcional,o conto espelha verdades possíveis, realidades sabidas e não contadas.Em tua inspiração,vc trouxe a crueza pontuada de poesia;alerta pungente.
    Um abraço, amigo Felis.Belo domingo aí.
    Calu

    ResponderExcluir
  27. Bom Dia Amigo!
    Parabéns Pelo Texto.
    Ele Me Fez Voltar
    No Tempo Em Que Estudei E
    Me Identifiquei Com O Personagem
    Do Fundo Da Sala.
    Na Minha Época,
    Eu Fazia Supletivo E
    Por Motivo De Trabalho,
    Eu Estudava Noite Sim,
    Outra Não, Mas,
    Recebia O Mesmo Tratamento E
    As Mesmas Cobranças,
    Que Os Outros Alunos.
    Eu Sempre Me Sento
    Nos Últimos Lugares,
    Porque Me Favorece
    Com Uma Visão Mais Ampla E
    Me Permite,
    Uma Maior Concentração.
    Amigo Querido,
    Tenha Uma Semana Abençoada.
    Bjs Z

    Que

    ResponderExcluir
  28. Olá!!!, Deus te abençoe bom dia, amigo passando para tideseja uma semana gloriosa, texto maravilhoso que realmente acontece, mais devemos ergue a cabeça e da volta por cima, S-U-C-E-S-S-O A-M-I-G-O.
    Blog: http://arrasandonobatomvermelho.blogspot.com.br
    Canal de youtube: http://www.youtube.com/NekitaReis

    ResponderExcluir
  29. Caro Felisberto,
    Cada vez mais você se supera e nos premia com grandes histórias, versos e prosas.
    Muito, muito bom. Parabéns!

    ResponderExcluir
  30. FELISBERTO:Esse conto nos faz refletir...!Até voltar ao passado!As vezes, quando lembro de algo bom em "algum lugar" das minhas lembranças, e começo a comparar com a minha atualidade, as vezes me faz feliz mas outras, me entristece.
    Passando para desejar-lhe um bom domingo e inicio de semana de paz,e grandes realizações.Bjs.

    ResponderExcluir
  31. Olá, Felis. Por um momento achei tão real o texto...más concordo com Célia que pode ser realidade. Muita emoção amigo! Obrigada por partilhar. Bjos e boa semana!

    ResponderExcluir
  32. Ola! Sempre me comove ler seus poemas e contos, eles são tão reais, tão fortes, tão cheios de vida que as vezes se tornam inevitáveis as lagrimas, gosto da forma com que você encaixa as palavras, no tom certo, fazendo-no visualizar o que esta escrito.
    Te admiro muito garoto!
    Xero :)

    ResponderExcluir

  33. Olá Felis,

    Triste a história desta rapaz. Fictícia ou não, assemelha-se à de muitos jovens que, por falta de oportunidade, apoio, amor e estrutura emocional, acabam se entregando às drogas. Quantos talentos perdidos em meio a esta multidão de jovens que vivem no mundo das drogas, ceivando precocemente suas vidas por este vicio terrível.
    Poesia intensa e muito bonita.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  34. Felix,
    muito bom!
    Na verdade, foi interessante você explicar que é ficção, porque é uma situação muito corriqueira, e como está muito bem escrito, de fato, parece ser realidade num todo. Aliás, uma dura realidade.

    Beijos!

    ResponderExcluir

Postar um comentário