(Des) caminhos da vida

(...) claro que no começo, senti te atravessada na garganta , no peito e na mente. 
Claro que houve momentos em que atravessei o dia tirando a poeira de livros antigos e móveis velhos. 
Claro que caminhei devagar pela casa, olhando o teto branco e abrindo janelas.
Há alturas até em que o desespero teimou em mim, se agarrando ao sangue e correndo por dentro das minha veias, retendo minhas expressões, aprisionando-me dentro de minhas próprias entranhas. 
Há alturas até que tentei te buscar em outros corpos, outros copos , como se fosse possível esquecer e controlar meu intenso envolvimento, onde me dei debaixo de desejos, de paixão e de amor, recheados de episódios, capítulos e desfechos variados. 

E um grande silêncio de palavras.
E a solidão roçando meus ombros.
E a saudade me rasgando.
E o vazio no peito...

... onde você estava
Tão presente aqui dentro
Não cabe mais em meu corpo
 Derrame ,   transborde por meus olhos 
Esvaziando corpo e alma. 

E mesmo que as dores da existência permaneçam , 
é tão bom saber que conseguimos sobreviver , pois na senda desta trajetória pelos (des) caminhos da vida, não raro nos perdemos de nós mesmos .
Ficamos à deriva, esperando que algo aconteça e nos tire daí para dar sentido às nossas vidas, mas,  apoiados no reconhecimento de que a vida é um desafio , temos que olhar lá, onde o  sol abraça o novo amanhecer.
Que vem sempre cheio de espaço, para que possamos preencher ,    surpreender , aprender  e recomeçar... 

   Mix de Prosa... é uma ficção, Qualquer semelhança com fatos ou pessoas é uma mera coincidência..."Ou não!
Obrigado,
ℱelisberto N. Junior

Comentários

  1. Ah! esta tal solidão q tanto nos apavora ... mesmo enfrentando este risco nunca devemos desistir de viver em plenitude.
    Bom fds querido amigo

    Beijão

    ResponderExcluir
  2. Texto elaborado com muita realidade! Chega mesmo um tempo, na vida, em que fazemos um balanço de tudo e de todos: - se valeu a pena, os investimentos de amor, as doações de vida em vida para muitas outras vidas! Existir é uma arte e depende de nós lembrarmo-nos de que somos peça fundamental na mesma. Cuidarmo-nos. Amarmo-nos. E,em muitos momentos, resgatarmos nossa autoestima.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  3. Olá, Felis, como vai???
    Ler seu texto me fez pensar em fins de relacionamento. Sempre, sempre difíceis e dolorosos. Todos os passos que citou fazem parte do processo de reorganização interior, mesmo que você tenha tomado a iniciativa com a certeza de que já não há mais sentimentos fortes o suficientes para fazer valer a pena, bate a dor, o desespero e a vontade incontrolável de voltar atrás.
    Mas quando se mantém a serenidade de esperar o outro dia, conseguimos finalmente enxergar se há amor que merece ser resgatado, ou se é costume, apego, medo de solidão.
    O tempo vai dando as respostas, arrumando os caminhos e oferecendo possibilidades consistentes de ser feliz de novo.
    abração!

    ResponderExcluir
  4. Caríssimo Felisberto, um texto impressionante, tens uma delicadeza com as palavras...falas do que sinto e do que poderia ter sentido,mas estamos sempreno recomeço de tudo, porque tudo se acaba, menos meu amor, menos minha fé:
    "E um grande silêncio de palavras.
    E a solidão roçando meus ombros.
    E a saudade me rasgando.
    E o vazio no peito..."
    Uma inspiração e uma esperança, nem tudo estará perdido depois de ser abandonado, à deriva no mar do mundo, do fim do mundo, e mesmo no meu quarto fechado em mim mesmo, eu tenho, nós "temos que olhar lá, onde o sol abraça o novo amanhecer." Sempre bom estar aqui.
    ps. Carinho respeito e abraço.



    ResponderExcluir
  5. Então caríssimo ! As vezes parece que nos esquecemos em algum lugar, ou em alguém ... Ai, essa solidão, e uma saudade que nos rasga por dentro ... As vezes" nos perdemos de nós mesmo "... Mesmo porque a gente se doa e não raro, não nos devolvem ...Porem sempre haverá um novo amanha, um novo recomeço ... E mais uma vez nos doamos na esperança de sermos devolvidos à altura ...Um abraço ! Obrigado pela presença la no blog !

    ResponderExcluir
  6. Olá Kirido,

    Belo mix de prosa poética.
    Não se cura de um sentimento com envolvimentos ocasionais ou banais, que apenas pioram a sensação de frustração e perda.
    Quando ficamos à deriva é preciso alçar as velas e continuar navegando. Assim é que caminhamos para a superação, tão necessária para nos reerguermos e reencontrar a nós mesmos. Como muito bem e lindamente colocado no final: "apoiados no reconhecimento de que a vida é um desafio , temos que olhar lá, onde o sol abraça o novo amanhecer.
    Que vem sempre cheio de espaço, para que possamos preencher , surpreender , aprender e recomeçar... ". É isso aí. Gostei!

    Feliz semana.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  7. Sofrimento, vazio e solidão claramente sentidos só de ler a postagem, mas também por uma identificação inevitável. Mais uma excelente postagem, Felis. abçs e boa semana.

    ResponderExcluir
  8. Olá, Felis!

    Você está melhor daquele estado febril? Espero bem, que sim, pke não sendo doença grave, nós sabemos, perturba e incomoda nosso cotidiano.

    Li seu texto e seu poema, e acho que, em ambos demonstra o mesmo sentimento, o que, para mim, é coerente. Os caminhos e descaminhos a vida fazem parte dela, e não há como fugir deles.
    É necessário fazer uma comparação entre o agora e o anterior, nós precisamos, e nem sei qual a razão. Penso que é comportamental, é assim, no plano afetivo.
    Depois de feitas as "análises", acho conveniente continuar caminho, "beber" em novas fontes e as lembranças ficarão para a história da gente.

    Dias bem felizes e com leves brisas.
    Beijos, carinhosamente.

    ResponderExcluir
  9. Felis, esteve febril,? Eu tbm semana passada, enfim é a gripe atacando, se cuida!Parabéns por mais um elaborado e criativo texto! É a vida é isso preencher , surpreender , aprender e recomeçar...sempre
    Abção pra vc : ]

    ResponderExcluir
  10. Há nessa ausência de alguém que foi importante, nessa separação doída de quem ocupou um espaço importante em nossa vida, uma grande saudade de quem já fomos...de um tempo em que se foi feliz, e dessa inocência perdida, a ignorância e desdém que quem ama e é amado tem da tristeza. Sem saber o que fazer de si mesmo, das horas que sobraram nos dias vazios, como uma sombra se anda pela casa silenciosa...
    E assim, teus versos em prosa evocam muitos sentimentos...!
    Abraços, e ótima sexta-feira pra vc!

    Bíndi & Ghost

    ResponderExcluir
  11. Existir, viver é difícil. Andamos por vezes à deriva como diz, mas depois da tempestade vem a bonança.
    Um abraço e que seja sempre feliz!

    ResponderExcluir
  12. Lindo mix Felisberto...nos faz refletir...
    "Qualquer semelhança com fatos ou pessoas é uma mera coincidência..."Ou não!"
    É nesse ou não, que reside muita coisa...

    Desculpa a ausência por aqui, porém estava sem net...

    Beijos e beijos

    http://simplesmentelilly.blogspot.com

    ResponderExcluir