Aprendendo a aprender

Vim de uma cidade pequena e tive muitos problemas para me adaptar à  cidade grande. 


Mas como queria mesmo fazer o meu mestrado , vim . Deixei a casa dos meus pais e fui morar no Campus da Universidade. E ali parecia que era normal julgar o outro por ser diferente e claro tinha muitas brincadeiras maldosas e preconceituosas à quem  tinha um sotaque diferente. Rapaiz,   réiva daquelê povô . Ninguém falava comigo na hora das refeições e o brilho caloroso que me recepcionava quando eu chegava em casa não estava mais ali. Eu nunca imaginei que a vida poderia ser tão solitária.

 O tempo passou, me formei, consegui um emprego em um bom escritório e esqueci completamente desse período em que sofri preconceito linguístico e outros mais.

Um dia desses, estava na praça lendo o livro Amante Desperto , Zsadist, quando percebi uma moça me olhando de soslaio. 
Fingi que não a vi e continuei lendo.
Ela sentou-se perto de mim e disse:
-Você não tem vergonha de ler esse tipo de livro em público?
-Que tipo ?
- Esse que pelo titulo e capa deve ser um pornô dos grandes.
Eu , educadamente ( meio tosco, talvez) disse:
-Não ! É um romance hot e não é pornô. 
Creio que sofri uma espécie de  preconceito literário.

"O tempo passa, o tempo voa e o" preconceito continua numa boa.
Não se deve julgar o livro pela capa,   sem fundamento sério ,  imparcial e objetivo.
 Nem tudo aquilo que aparenta ser, realmente é. 
Precisamos aprender a olhar de vários ângulos, passar da diferença à soma nas relações interpessoais , para tornar possível e estabelecer uma relação pacífica e construtiva, na medida em que identificarmos, entendermos e aprendermos a aprender com o diferente. 

... é uma ficção, Qualquer semelhança com fatos ou pessoas é uma mera coincidência..."Ou não!

Obrigado,
ℱelisberto N. Junior

Comentários

  1. Gostei do teu texto. Nada pior do que o preconceito entre os homens. Enquanto os homens não aprenderem a respeitarem-se uns aos outros, o caminho continua manchado pela irresponsabilidade moral.

    ResponderExcluir
  2. Está certo! Não devemos julgar pelas aparências.
    Aqui dizemos "Todos diferentes, todos iguais".
    Que tenha um bom dia!

    ResponderExcluir
  3. Sempre achei isso tb, nem tudo o que parece é rs...
    Um lindo dia pra vc =)

    ResponderExcluir
  4. Como q o tempo passa e o ser humano continua ridiculo com seus preconceitos idiotas ... enfim ... eu teria dado uma boa resposta a esta sirigaita q além de preconceituosa é abusada ... afinal ninguém pediu a opinião dela ...

    ResponderExcluir
  5. Um texto para ler e aprender,como tudo que vemos nem sempre refere-se a uma realidade.
    Gostei Felis.
    Bjs-Carmen Lúcia.

    ResponderExcluir
  6. Seu texto pode ser "ficção"... mas é de uma realidade ímpar! Julgamos e classificamos pela aparência do ser, do objeto, do filme ou do livro em questão... Pergunto: - temos bom senso e discernimento para tal atitude? ... Nem sempre, não é mesmo?
    Abraço.

    ResponderExcluir
  7. Meu Deus...quando até pelos livros que lemos sofrermos preconceito, é o fim, rs...mas pelo menos significa que as pessoas prestaram atenção ao livro, já que atualmente ler se tornou uma coisa "obsoleta", a moda são as selfies e outros entretantos, rs...
    O preconceito é uma erva daninha, infelizmente. Quando achamos que ele se foi de um setor, vemos que se instalou em outro. Ele brota dessa coisa egoísta de querer se fechar em um grupo, uma tribo de iguais em tudo, como que uma herança dos tempos pré-históricos em que um clã era ameaça ao outro e toda criatura diferente era vista como inimiga...mas não somos irmãos...? Bom, até somos, mas enquanto não domesticarmos este nosso lado perverso, o preconceito será a marca que nos deixaram Caim e Abel.
    Um grande abraço, e um ótimo fim de semana!

    Bíndi e Ghost

    ResponderExcluir
  8. Olá amigo,

    Acredito que preconceito é algo inerente a quase todos os seres humanos, à exceção daquelas pessoas mais espiritualizadas e iluminadas. É algo que diz respeito também à formação e educação de cada um. Veja, por exemplo, a questão dos bulyngs nas escolas.
    Em muitos casos, o preconceito é velado, mas acaba se revelando em determinado momento.
    Quanto aos julgamentos, creio também ser praxe entre os seres humanos, nem que seja apenas a nível apenas mental. Rejeitamos e consideramos odiáveis, tanto o preconceito quanto um pré-julgamento, mas nunca me deparei com uma pessoa totalmente isenta destes pecadilhos. Precisamos nos exercitar contra tais repudiáveis procedimentos, pois somente assim seremos mais justos e mais humanos. Saber olhar algo ou alguém de vários ângulos é cuidado que evita muitas injustiças e mágoas.
    Há muitas coisas que precisamos 'aprender a aprender'.
    Não conheço o livro citado ('Amante Desperto') .

    Belo final de semana.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  9. O preconceito infelizmente é um mal da humanidade e ultimamente temos vivido um período assustador de intolerância e ódio. Ótimo esse texto, Felis. É fácil apontar o dedo e julgar, sem olhar pra si mesmo. abçs

    ResponderExcluir
  10. Olá meu poeta lindo, coincidência o não isso existe
    por ai, vemos preconceito em tudo, e por falar em livros
    vc tem razão a capa não diz nada, vemos o nome e pensamos:
    La vem um abela história, quando termina da vontade de jogar fora
    e outros são bons, e a vida é igualzinha, julgar pela capa é preconceito
    na certa ai como se diz........Da uma reiva viu .....

    Bjuss de sempre
    Bom final de semana
    Rita

    ResponderExcluir
  11. Olá, Felis, como vai? Olha, preconceito literário eu nunca vi, rsrsrs. "Não se julga um livro pela capa" é um ditado muito adequado nesse momento, tanto no sentido literário, quanto figurado.
    Sempre digo e repito que hoje em dia algo que sobrevive e que considero inaceitável é o preconceito, seja em relação ao que for. Onde as pessoas pensam que tem o direito ou o poder de julgar o que o outro é ou o que o outro faz? Temos conhecimento, o conhecimento transforma, mas poucos se dispõe a realizar essa transformação de fora para dentro.
    Em geral as pessoas repudiam atos preconceituosos, quando na verdade, em seu dia a dia, inúmeras vezes e inconscientemente agem nesse sentido.
    Abraços!

    ResponderExcluir
  12. Boa noite amigo Felis!!!
    Falta-nos mais amor, saber ver e entender os gostos e costumes alheios, sem julgar.
    E assim o preconceito continua a reinar em muitos lugares...como você mesmo relatou em seu texto.
    Que Deus continue a nos abençoar sempre!!!
    Tudo de bom!!!
    Bjokas...da Bia!!!

    ResponderExcluir
  13. Oi Felis !Pois e', sofremos preconceito tanto pela capa de um livro , quanto pela nossa aparência e cor ...Creio que o ser humano não evoluiu o tanto que imagina-se ...Ainda faltam muitas escadas e picos para serem escalados ... E a ferramenta melhor para isso e' " Amor " . Creio que se todos atentassem para esse item, o mundo seria melhor .Deixo aqui um grande abraço! Ótima reflexão !

    ResponderExcluir
  14. Oi Felis!
    O ser humano é assim - os olhos sempre são mais rápidos pra fazer imagens e julgar. Sempre somos "tão entendidos" sobre tudo e ainda mais hoje em dia, que se passa tanto tempo na frente das telas, o poder de comunicação está se esvaindo... As pessoas não pensam pra falar e muitas vezes nem sabem interagir. Preconceito sempre existiu e sempre vai existir em relação a tudo, muitos precisam querer evoluir e aprender a não julgar, mas... é um exercício constante.
    Abração e ótima semana.

    ResponderExcluir