Ah sim, algumas considerações

Nesse Blog, mesmo com alternância, prevalece o lírico. 
Sem perpetuidade, mas, sempre procurando não afastar muito da essência. 

Vale a pena ressaltar que embora a lírica seja basicamente composta por poesias e poemas, não necessariamente irei sempre me enquadrar  -nesse marcador- , pois,   o que realmente determina a inclusão nesta categoria - gênero lírico - são suas características , por exemplo o espírito subjetivo e a participação do “eu-lírico” expressa pelas emoções e pelo sentimentalismo, que aparecem de várias formas e por isso é difícil ter uma composição perfeita. 
Também podemos salientar que sempre há algumas diferenças entre "eu Autor" e o "eu lírico/sujeito lírico". 

Claro que um texto nunca estará isento da subjetividade do Autor , mas pode ou não expressar as vivências efetivas , pois, no momento - da escrita - , algumas emoções e sentimentos - exterior - são filtradas e recriadas através da escrita, e um "novo eu" nasce , sendo a voz que se manifesta... minha(s) tua(s) nossa(s) vossa(s) sua(s) fictícia (s).

Está certo , também, que quem vai efetuar a leitura é que irá trazer seu próprio entendimento para dentro do que foi escrito. Tanto que, outro dia, publiquei uma Prosa Poética em que A falecida era mulher do "eu lírico" e comentaram "Felisberto - "eu Autor"- , Meus pêsames!", mas, até pelo aviso que usualmente adiciono no rodapé do post, das duas, uma, ou não consegui expressar o que pretendia ou ria-se alto , para não chorar!

Obrigado,
ℱelisberto N. Junior

Comentários

  1. Bom dia amigo
    Aquilo que escreves parece ser fruto do teu sentir e viver as emoções.
    Depois quem lê, termina por perceber as tuas alegrias, desejos ou paixão.
    O nosso estado de espírito influência o escritor, mas também o leitor.

    ResponderExcluir
  2. Há quem se confunda, mas penso que dá para ver, na generalidade dos seus textos, os sentimentos do sujeito poético (às vezes influenciados pelo autor, claro.).
    Boa continuação de escrita!
    Um belo dia!

    ResponderExcluir
  3. Bom dia, Felis! Entendemos o que você colocou...realmente, as pessoas trazem muito de si mesmas ao ler o que outros escrevem. Talvez passem por momentos especiais, em que o que escrevemos se enquadra tão bem em suas realidades, que prefiram crer que o escrito realmente aconteceu. Mas como já disseram, o que alguém escreve e publica, dá ao mundo...como um filho, alça voo próprio e sobre ele já não temos mais jurisdição, e assim, cada um interpretará o que escrevemos à sua maneira. O que não deixa de ser bom, pois agrega muitos entendimentos ao texto, que às vezes nem o autor estava ciente.

    Também gostamos de escrever o que a intuição nos dita, e nisso viajamos alto, às vezes, por mundos que nossa realidade nunca tocou, apenas vivenciamos pelo sentimento. Nem sempre a tristeza de um texto foi vivida por nós, mas apenas imaginada, vista na realidade de outrem...quem escreve, geralmente gosta de observar, de perceber à sua volta coisas que podem passar despercebidas por olhos mais ligeiros. E assim, muitas vezes a alegria ou a tragédia alheias acabam em nossos textos...

    "O poeta é um fingidor, finge tão completamente, ue chega a fingir que é dor, a dor que deveras sente."

    Um abração!
    Bíndi e Ghost

    ResponderExcluir
  4. Olá, Felisberto! Isso acontece, e é mais comum do que parece... acho que quando estamos lendo alguma coisa, naturalmente (é cognitivo) nós trazemos o texto para dentro do nosso contexto de pensamento e até de vida e tentamos associá-lo a algo que conhecemos...
    Certa vez ganhei um concurso de poesia com um poema chamado "Somos Irmãos." Foi logo depois do 11 de setembro. O poema falava sobre o relacionamento entre meus irmãos e eu - metaforicamente, é claro. Mas alguém que me parabenizou, disse: "Que lindo! E ele trata exatamente deste momento que estamos vivendo agora, a queda das torres!"
    Eu não corrigi, deixei que a pessoa o interpretasse como quisesse... até hoje ela acredita que foi sobre as torres e o 11 de setembro.
    Abraços!

    ResponderExcluir
  5. Oi Felisberto, tudo bem?
    Adoooro ler tuas postagens e aquelas que trazem considerações são as mais divertidas. É muito engraçado quando o blogueiro ou blogueira precisa "desenhar" seus posts. rsrsrs.
    Mas falando sério, tu não acha isso fantástico? Cara... Eu acharia! Eu adoraria que em meio a um texto de ficção os leitores pensassem que a estória se tratasse exclusivamente de mim. Que minha estória passasse por história. rs.
    Caraca... Isso significa o quão convincente tua escrita foi, já parou para pensar nisso? Eu achei o máximo!
    Nós que somos autores muitas vezes escrevemos coisas que não vivenciamos e sim, a vivência de outras pessoas, sejam elas reais ou personagens de alguma arte de ficção que nos inspirou. Só que quem não é autor, talvez não entenda muito isso e leva para o pessoal sempre.
    De boa, foi mal, mas eu ri alto! huahuahauhauahua!
    Beijos amigo.


    Rivotril com Coca-Cola

    ResponderExcluir
  6. Meu poeta lindo como eu gosto e entendo vc
    achei super legal vc postar assim....mas tem quem entende
    de cada jeito kkk..deixo meu abraço e até já já
    Bjusss
    Rita!...

    ResponderExcluir
  7. Olá Kirido,

    Creio que é natural que ocorram comentários despropositados sobre termos poéticos, mas alguns fogem completamente ao objeto da inspiração ou são exarados sem uma leitura atenta do texto/poesia/poema. Já pude observar tal fato em diversos blogs poéticos. Posso citar, com propriedade, o da minha irmã. Já vi comentários por lá considerando como se ela estivesse vivendo o que foi poetizado. Como conheço a vida dela, sei que nada tem a ver. A verdade é que não é fácil interpretar poesias/poemas, nem identificar suas metáforas; pelo menos para leigos. Sem dúvida que a confusão entre o eu lírico e o autor compromete o entendimento de um poema. Assim, prefiro priorizar, na leitura da poesia, a forma como foi composta, a beleza de algumas figuras poéticas e o sentimento que desperta. Um fato interessante que já observei é que alguns blogueiros poetas também mostram dificuldade em comentar poesias, saindo pela tangente em seus respectivos comentários.
    Gostei muito de suas esclarecedoras considerações.

    Tenha um belo final de semana.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  8. Felisberto, numa peça escrita, pelo menos, criativa, como as tuas, o autor faz sempre uso das faculdades imagéticas, servindo do seu potencial de usar metáforas.
    Aos comentadores cabe tentar interpretar (tentar), Acontece que, alguns companheiros(as), utilizam cópia, que como se sabe, é uma ronda de igualdade, por isso nada tem a ver com o post, pressupostamente, comentado.
    Abraços

    ResponderExcluir
  9. Boa tarde amigo Felis!!!
    Não me aguentei e estou aqui a rir....claro que para mim, sempre que venho aprendo algo novo...gosto de ler seus poemas, seus textos....mas não pude deixar de rir, com "meus pêsames" rsrsrsrs Penso, ser também a falta de tempo para ler o que o blogueiro postou...kkkkkkkkkkkkk Dá nisso....rsrsrsrs
    E aproveito para te contar uma surpresa...rsrsrs
    Até me emocionei...estava tentando fazer no meu blog, aquele gadget de Top Comentaristas, finalmente consegui, através do post da Elaine Gaspareto...e adivinha???? Você apareceu como meu 4º TopComentarista. Uma alegria, saber do seu carinho e amizade, que Deus continue a nos abençoar por muitos outros anos, nesse mundo da blogosfera virtual!!!
    E ainda estou aqui rindo....rsrsrsrs
    Tenha uma semana repleta de bençãos e ótimas surpresas!!!
    Abraços da Bia!!!

    ResponderExcluir
  10. Olá, Felis.

    Uma palavra carinhosa de incentivo.

    O amor é uma fogueira é fogo que ateia a candeia do coração é o sentimento mais profundo mais bonito deste mundo é o AMOR.
    O amor nos faz acreditar, nos dar forças pra lutar, faz da gente um vencedor pois onde existe amor não há guerra não há dor...
    Só o amor é capaz de unir os corações só o amor transforma tudo.
    O amor tem o poder de curar, de reverter situações, ou seja é impossível o ser humano viver sem AMAR.
    O AMOR É DOM DE DEUS!

    Parabéns pelo blog, espero sua visita.

    Em Cristo,

    ResponderExcluir
  11. Engraçado pq eu sempre acho que vc se refere a si próprio nos seus escritos, e tbm Acho que em outros vc está enviando recado que iria cair na carapuça de alguém rs.

    Mas aí vc sempre coloca, "Qualquer semelhança é mera coincidência"

    Mas é normal essa confusão de "o autor com seus escritos" ainda mais quando há tanto de verdades nos mesmo!

    Bjos no coração!!

    ResponderExcluir
  12. Olá Felisberto!
    Eu sou uma sua admiradora, gosto das suas postagens, acho que são interessantes. Cada leitor interpreta da forma que quer.
    Uma boa semana
    Grande abraço.

    ResponderExcluir
  13. Esse tipo de confusão acaba sendo normal, Felis, mas essa postagem é boa para quem sempre confunde uma coisa com a outra. Abraços e boa semana.

    ResponderExcluir
  14. Eu sempre leio os rodapés, rsrsrs!
    Mas, eu penso que essa é exatamente a arte de escrever, colocar no papel aquilo que alguém poderia estar sentindo, ter a capacidade de emocionar a pessoa, eu mesma já li alguns dos seus e me imaginei neles, mas em geralmente eu faço isso com livros, imagens ou músicas.
    Bj

    ResponderExcluir

Postar um comentário