Não me diga nada

Não me diga nada!
Não quero entender  nada , o que é agora,  pode ser nada  depois;  nada que não possa ser removida e destruída; no vazio,  tudo se dissolve;  e o que vejo e sinto ,  só vale para o  agora;  o sonho,  a boca, o beijo,  o toque, a carícia que  arrepia, sensações múltiplas e infinitas. 


Não me diga nada!
Eu sou um arquivo de sonhos  e os fantasmas de meus perdidos desejos tecem  outra realidade e agora, a  minha realidade é diferente do som , barulho e ruídos diversos, do cheiro do  café amargo, do  cigarro aceso, do  filme chato, do  livro sem fim, da música triste, ao meu redor.  

Não me diga nada!
Bastaria somente você estar aqui, para mudar a realidade, para dar-lhe sentido, outro som, outra cor, outro sabor. 

Se não for agora,  quem sabe depois,   outro dia, outra vida...

" anseio a chegada da noite, fico triste quando chega o raiar do dia, quando o sonho termina..."

Obrigado, 
elisberto N. Junior

Comentários

  1. Boa noite, amigo Felisberto!
    Realmente o amor é sonhado e desejado no coração do ser humano... sem ele, nada tem sentido...
    Bjm muito fraterno

    ResponderExcluir
  2. Lindo e reflexivo poema, em que se anseia pelo preenchimento ao amor.
    Beijo*

    ResponderExcluir
  3. O que se sente em determinado momento nos atinge por inteiro, não importando que tudo possa mudar depois. Mas isso não impede o sonho, o voo, o desejo. Reconhecemos que alguém, em silêncio, poderia colorir tudo. Bjs.

    ResponderExcluir
  4. Quantas vezes queremos dizer isso o tempo todo? Muitas. Aliás, não dizer. Não ouvir... enfim. Excelente postagem, Felis. Abração.

    ResponderExcluir
  5. Oi querido amigo Felis!
    Dá uma sensação de acolhimento e aconchego ao ver que você retornou à blogosfera depois de tudo o que passou...
    Que sua mente está se adaptando aos novos momentos e que esteja enfrentando tudo com sabedoria, apesar do caos instaurado em sua vida...
    Parabéns pela força amigo, passei a admirá-lo ainda mais!

    E quanto ao poema, creio que reflete momentos de angústia, de solidão...Mas essencialmente belo por ser tão real!

    Obrigada sempre por sua calorosa presença querido poeta!
    Bem-vindo novamente a este meio, pois faz muita falta!!
    Um grande beijo e desejos de uma semana maravilhosa!

    ResponderExcluir
  6. Felisberto, a mina interpretação é de que procedi à leitura de uma interessante prosa poética como bem sabes imaginar.
    Olha, gostaria muito te ter a comentar Salvador da Baíha, no meu blog, BRASIL: O SORRISO DE DEUS, que se vai encaminhar para ser história pós cabralina do Brasil.
    http://amornaguerra.blogspot.pt/

    Abraços

    ResponderExcluir
  7. Que lindo, Felis!
    Você anda mesmo mais que inspirado.
    Nada importa além do que se vive no agora. Depois é depois. O que conta são os sentimentos e as sensações que afloram no momento do que é vivido. Não há nada para se entender e apenas para ser vivido, com toda a sua ardência e prazer. O vazio que vem depois constrói uma nova realidade, capaz de ser mudada tão somente pela presença daquele amor que se transformou em sonho, ainda que tal presença aconteça em outra parte do tempo, ou da vida.

    Gostei da citação final. Enquanto para uns a chegada do dia representa a luz e a esperança, para um coração apaixonado ela representa o término do sonho que ilumina o coração.

    Adorei!!!

    Beijo.

    ResponderExcluir
  8. Oiii,Felisberto não sei comentar poesia, tá? Nãoprecisa dizer nada.Não tenho blog, li um comentário seu no site da Tribuna e cheguei aqui.Acredita que tive abrir conta na google sópara te perseg, seguir?Não me arrependo, li varias postagens suas e admirada, você escreve d+, sobre si, romantico, bem humorado,sonhador,melancolico.Prabéns, ganhou umafã.Chau, beijinho-desculpe digitei do iphone

    ResponderExcluir
  9. Bom dia querido Felisberto
    Que lindo poema meu amigo , intenso, envolvente.As vezes o nada significa tanto. O agora é o mais importante. Os sonhos nunca podem acabar. Um feliz dia. Enorme abraço.

    ResponderExcluir
  10. Meu bom amigo Felisberto, tua escrita me emociona, o segundo verso estava eu lá, com toda a minha negação ao amor, este lado obscuro que tenho, não posso negar, principalmente em relação ao amor, este sentimento que já me fez sofrer tanto, tenho pouquissímas esperanças de acontecer comigo outra vez e não ser uma experiencia negativa."eu sou um arquivo de sonhos", mas aocrdo sempre na hora do beijo. Existe em teu texto uma leveza profunda, pesada até, mas tão forte e verdadeira, que acaba por dominar quem lê, como eu. Graças a Deus que retornaste, teus textos fazem a diferença.
    ps. Carinho respeito e abraço.

    ResponderExcluir
  11. Oi Felis,você coloca bem esse pequeno fragmento de suas palavras:
    Se não for agora, quem sabe depois, outro dia, outra vida...
    E eu acredito muito em outros momentos e principalmente em outras vidas.
    Muito lindo.
    Bjs-Carmen Lúcia.

    ResponderExcluir
  12. Um pouco solitário e intenso...precisamente lindo assim posso dizer! Parabéns pelo seu poema Felizberto!

    Te desejo um lindo dia. Beijos

    ResponderExcluir
  13. Quando só a presença de um certo alguém nos importa, as palavras perdem mesmo o sentido.

    Eu me senti atingida pelo texto ao ponto de querer abrir os meus braços e dizer 'vem cá, chora no meu ombro'.

    ResponderExcluir
  14. Oi Felisberto,
    A vida é feita de sonhos maravilhosos e na juventude o amor avança como um furacão, aproveite, pois depois vem a calmaria de um barco a deriva
    Beijos
    Minicontista2

    ResponderExcluir
  15. O amor é o centro de tudo, um poema muito envolvente e intenso, Felisberto abraços.

    ResponderExcluir
  16. Nada melhor do que viver o agora, mesmo que seja apenas um sonho...A vida é assim sonhos e realidade se misturam nos proporcionando viver os mais diversos sentimentos.
    Um grande abraço.
    Élys.

    ResponderExcluir
  17. Olá Felisberto,
    Gostei de ler este maravilhoso texto. Muito bem escrito..
    Beijos

    ResponderExcluir
  18. Da postagem anterior:
    Neste momento... deste momento em diante...
    Ah, meu amigo, somente um grande poeta consegue preencher com tanta emoção o espaço entre o agora e o daqui a pouquinho... E ao preencher, consegues ornamentar este ínfimo espaço de tempo com sentimentos/promessas/sentires de tal importância que ao te ler sentimos a alma se aquietar nos momentos de tanta beleza que soubeste tão bem criar.

    Da postagem de agora:
    Teu texto chegou-me com um travo de desesperança, como se no futuro houvesse fantasmas a se temer, e por isso tu te apegas ao agora como se quisesse sorver do mundo, em um só momento, todas as “sensações múltiplas e infinitas” pelas quais tanto anseias. E ao dizer que a tua realidade “é diferente do som, barulho e ruídos diversos, do cheiro do café amargo, do cigarro aceso, do filme chato, do livro sem fim, da música triste” ao teu redor é como se tivesses alcançado uma outra dimensão nos sentires que te assomam no agora. E clamas por outra pessoa para estar aí ao teu lado, para mudar a tua realidade, dando-lhe um sentido, ao acrescentar um outro som, uma outra cor e um outro sabor. E o som que desejas é aquele de uma melodia que te chegue ao coração para entoar uma canção de amor, e a cor que queres tem de preferência a predominância do branco para te apaziguar a alma, e o sabor que tanto almejas tem que ter a doçura do beijo, da boca do toque, pois só assim o sonho pode continuar, este sonho que hoje fica a enfeitar as tuas noites. E por isso temes o dia, e ao temer e ao desejar apenas a noite onde te abrigas nos meandros do sonho, ficas a impedir que o alvorecer propicie a realização dos sonhos tão acalentados e tão desejados tecidos dentro da noite.
    É preciso, meu querido, que o raiar do dia possa trazer de volta um novo sonhar, pois é na luz do sol que aquece e que faz reflexos na nossa alma que também nos chega a luz de uma nova esperança.

    Felis, querido amigo, tuas postagens sempre me trouxeram momentos de muita reflexão e por muito te admirar, e também ter conhecido a noite como um abrigo das minhas dores, foi que tomei a liberdade de me apossar do teu texto e fazer uma (re)interpretação.
    Se fui além dos limites ou se embrenhei por caminhos tão dispares do sentido que quiseste dar ao texto, peço desculpas, mas leve tudo em conta do meu gostar de ti, da minha admiração pela pessoa linda que tu és, e do carinho que hoje, mais do que nunca, quero deixar espalhado nos sorrisos de mimosos anjos, para que eles possam, de alguma forma, iluminar o teu olhar com delicadas estrelas,
    Helena

    ResponderExcluir
  19. Meu poeta lindo amo te visitar e ler
    sempre o que de bonito escreve, vem sempre
    com o coração, e a gente não se cansa de ler
    amar e guardar pra sempre cada palavrinha
    E o que é bom ......é AGORA

    Bom final de semana..
    Abraços com carinho!

    └──●► *Rita!!

    ResponderExcluir
  20. Oi Felis ! Então amigo senti nesse seu lindo texto, que toda a sua alma de poeta estava ali, nua ...Muito reflexivo e divinamente poesia; livre e despojada ... Um grande abraço, e obrigado pelas gentis palavras em Curvas, retas e esquinas .

    ResponderExcluir

Postar um comentário