Luz na avenida

Ergueu levemente o lindo rosto. 
Cabelos pretos e encaracolados.
A pele morena realçada pelo azul dos olhos. 
Maquiagem impecável. 
Bochechas rosadas. 
Pele de cetim. 
Batom de carmim.

Observou os indivíduos com almas desiludidas e muita carência. 
Expirou profundamente , como quem não quer soltar o ar por medo de se sentir vazia.
Ajeitou sua saia de cintura alta e abotoou alguns botões de sua camisa.
É importante se manter na linha.

Luz na avenida. Virou passarela. Lá vem ela. 
De passagem. Alegre e feliz.

Ave maria. Cheia de graça. Ritmo cadenciado. 
Cheia de dengo.Sem parar.
Cintura fina. Afinado violão.
Harmônico conjunto que a deixa no centro dos olhares. 
Tanto no ir como no vir.

Sem dar conta e sem saber bem como. 
Sentiu-se num prazer furtivo. 
Ser parte do todo aos olhares à flor da pele, enquanto gozava sozinha a nostalgia.
Lendo muito tempo depois o que escrevemos, quase não conseguimos reconhecer que o texto é de nossa autoria; pois é, esse é!

Obrigado,
ℱelisberto N. Junior

Comentários

  1. Lindo texto! Adorei e reler textos nossos faz bem e nos surpreendemos por vezes! abração,chica

    ResponderExcluir
  2. Que pena que ela gozava sozinha uma nostalgia,mas sabia que chamava a atenção por todos esses atributos.
    Adorei Felis.
    Bjs e um lindo dia.
    Carmen Lúcia.

    ResponderExcluir
  3. Que lindo, amei ler seu belo texto, muita poesia que nem sempre acreditamos quando escrevemos e depois lemos, principalmente quando se passam algum tempo.
    Também sinto a impressão de que não sou eu quem escreve os textos postados lá nos meus blogs, daí penso e repenso e acabo me convencendo de que não sou eu, são inspirações que vêm e nem sei bem de onde?!
    Amigo querido, tens uma linda inspiração e é só segui-la e nos presentear assim, com essas lindas poesias!
    Abraços apertados!

    ResponderExcluir
  4. Emoções à flor da pele ... é o que sinto quando leio teus escritos querido ...

    Beijão

    ResponderExcluir
  5. Olá kirido,

    Parece que há momentos em que a inspiração rola solta e, por isso mesmo, a escrita encanta até o próprio autor, que chega a duvidar que escreveu de tal forma em determinada época. A escrita, parece-me, tem tudo a ver com o estado de espírito dominante no momento em que seu autor a coloca no papel.
    Este texto poético está especialmente lindo e dentro de sua forma encantadora de se expressar poeticamente.
    Os versos estão cadenciados e deliciosos de ler.
    É louvável quando não nos deixamos render pela nostalgia de um estado de espírito momentâneo e a guardamos apenas para nós, sem contaminar aqueles que estão ao nosso redor. Tal atitude pode nos colocar no centro da alegria e, por isso mesmo, nos surpreender.

    Lindo demais! Parabéns!

    Beijossssss.

    ResponderExcluir
  6. Lindo poema, muito bem feito, cuja cadência vai aumentando o suspense até o brilhante final.
    Amei!
    Beijo*

    ResponderExcluir
  7. oi Felis, que texto bacana. Ainda bem que retirou dos seus escritos guardados e postou aqui pra gente ler. Adorei!

    É curioso isso da gente resgatar um texto antigo e se surpreender com o que escrevemos na época. Tão diferente do que fazemos agora que parece feito por outra pessoa e não por nós. Acontece comigo também. rs

    Beijos/

    ResponderExcluir
  8. Boa noite Felisberto.
    Um lindo texto poético, com a sua bela forma de se expressar, encantou a todos nós, deve ser um enorme prazer fazer poemas tão bons, ler, reler e saber que foi o autor delas. Um abençoado final de semana. Abraços.

    ResponderExcluir
  9. Vc tem razão, escrevemos e depois nos surpreendemos nas releituras. Adorei

    ResponderExcluir
  10. Que belíssima postagem, Felis. Adorei. E mtas vezes nos surpreendemos com nós mesmos, realmente. Abraços.

    ResponderExcluir
  11. Oi Fê!!! Lindo poema! Tento voltar ao mundo da blogosfera. O meu cotidiano aqui que é fogo! Sei que todos os seus textos tem essência e tem esse "q" que mexe na alma de todos que leem. Abraços cunhado, fique com Deus! Sempre!

    ResponderExcluir
  12. Felisberto, ri de sua observação, porque já me ocorreu esse prazer, ao reler coisas antigas. E muita decepção também (kkk). Mas pode ficar feliz porque seu texto está encantador. Acompanhamos o sentir e os passos dela, a beleza com que passa e os olhares que atrai. E, no finalzinho, você inclui, inesperadamente para quem lê, a nostalgia. Parabéns! Ótima sua postagem. Bjs.

    ResponderExcluir
  13. Felisberto, eu não tinha uma lista de blogues. Pode rir, mas não conseguia fazê-la, por desconhecer a forma certa. A Vera me disse que você a socorreu em várias oportunidades, até em um jogo onde ela não conseguia passar de fase (kkkk). Mas sou xereta e de tanto tentar, consegui. Só que a coloquei em um blog que está visível apenas para mim. Por isso, agora vejo, com facilidade, quando você publica. E posso acompanhar suas postagens, que muito me agradam. As visitas que lhe faço são por prazer. Bjs.

    ResponderExcluir

Postar um comentário