Minha vida não foi só poesia, parte 3

[parte 2]...e o que iremos fazer para a obtenção de nossos sonhos e objetivos... 

...é muito difícil, principalmente  quando ainda jovem, dar o próximo passo na vida acadêmica. São inúmeras alternativas e optar por apenas uma delas é muito complicado, mas , 'do alto' dos meus 14 anos,  já tinha  decidido fazer o Curso Técnico em Edificações integrado ao Ensino Médio , o pontapé inicial para o meu grande sonho , a Engenharia Civil...

bem,  tinha ainda  mais alguns anos para realizar este sonho, por isso,  naquele momento, a minha maior preocupação era deixar de  ser o único da turma que  jogava futebol de campo com tênis.  Queria falar com a minha mãe, pedir dinheiro para comprar uma chuteira, mas entendia que ainda era prudente  manter os 'pés no chão', mesmo que a situação financeira da família estivesse  melhorando.

Felizmente, tem sempre aquele , voluntariamente ou não,   que nos  ajuda  e nos faz crer que existe 'vento a favor' e tudo se consegue.
O professor Nicolau,  super - fechado e poucos sorrisos, daqueles que nunca sabemos se estava bravo ou calmo, feliz ou triste , foi uma dessas pessoas. 
Ajudou-me  e muito , ao me chamar à sua mesa e me entregar uma lapiseira banhada à ouro, com um cartão escrito: 'para o meu melhor aluno de Matemática'. 

Claro que fiquei muito orgulhoso , notadamente porque a recompensa e o  sucesso escolar estava  muito diretamente relacionado com o  grande esforço  que tinha feito   e  neste caso, ainda por ter me dedicado e prestado o máximo de atenção às aulas.
Hum, pensando cá ,  depois de escrever isto, acho que isto  explica em parte porque não era tão bom aluno também  em Português. 
Não conseguia prestar muita atenção à aula; a professora Márcia era muito linda... 

enfim, o professor Nicolau ao  me destacar   , gerou muitos outros resultados positivos , pois este meu bom exemplo chegou até os ouvidos das mães desesperadas com as notas de Matemática de seus filhos  e eu não poderia perder a chance de , compreendendo este desespero , aceitar todos os pedidos para dar  aulas particulares de reforço ...
e com esse dinheiro extra, comprar meu primeiro par de chuteiras...
 [continua...] 


Obrigado,

Comentários

  1. Estou adorando te acompanhar nessas trajetórias de vida... abração,chica

    ResponderExcluir
  2. Que bom! Este capítulo da sua vida (se for mesmo) é super positivo. Pois, é preciso esforço para realizar os sonhos. Boa ideia, dar explicações.
    Um grande abraço.

    ResponderExcluir
  3. Sempre bom ter a recompensa por aquilo que fazemos na vida. A maior delas é o crescimento como SER. Adoro conhecer de você meu amigo Felisberto.

    Beijão e boa semana ...

    ResponderExcluir
  4. Olá Kirido,

    Então, a professora bonita o distraía das aulas, hein?-rsrs.
    Pelo que estou vendo, você conquistou seu espaço pelo próprio esforço. Ser destaque numa disciplina tem inúmeros efeitos colaterais positivos, entre eles, aumento da autoestima, admiração dos colegas (ou inveja-rsrs) e até este último, de virar professor particular de matemática. Muito lindo de sua parte não forçar a barra com os pais por causa das chuteiras. Com certeza, seria difícil para eles não atenderem ao seu pedido por falta de recursos. Isto mostra que você já tinha um coração sensível e amoroso.

    Feliz semana!

    Beijo.

    ResponderExcluir
  5. FELISBERTO: Muito interessante vc falar da sua vida! Já tinha percebido em você, uma pessoa equilibrada, e dar para notar em vc essa característica ainda quando bem jovem. Tb observei o relato da sua professora de português, hein?? Ela era bonita?? RRSS! Eu já tive uma paixonite por um professor também, foi no ensino médio. Era meu professor de química. Achava ele um charme total. A sua história daria uma bom livro! Bem interessante.Amigo, tenha uma semana de paz e conquistas. Beijos!

    ResponderExcluir
  6. Oi, Felis, como vai?
    Ri muito com o comentário sobre a professora Márcia, kkkkk, que distração!
    Batalhando desde sempre, né? É admirável quando a pessoa pensa em ajudar o contexto de sua vida, quando há tantas pessoas egoístas por aí, e ainda a conquistar seu próprio tênis, com tantos que não dão valor para o que tem. Mais uma vez lembra o amor, que batalhou muito para ajudar a melhorar a estrutura da casa dos seus pais de origem humilde.
    Como é importante que o professor tenha um gesto de reconhecimento em relação ao aluno, não é? Seria bom se cada professor tivesse a consciência do poder transformador que tem sobre a vida do aluno - para o bem ou não, rsrrs.
    Em duas ocasiões - em 2015 e há uns quatro anos - dei no final de ano um kit de desenho para dois alunos distintos: um era um menino vibrante que desenhava de maneira peculiar, outra uma menina repetente do ano passado que tinha uma história de vida bem difícil e o desenho foi uma maneira que eu tive de criar um vínculo com ela e assim, fazê-la prestar atenção na aula. Espero que ambos tenham se sentido incentivados!
    Vamos em frente, acompanhando...
    Abraços!

    ResponderExcluir
  7. Meu querido!!! Tô tentando voltar... saudades de ler vc! :)
    Blog -> Umas e outras

    ResponderExcluir
  8. Boa tarde Felisberto.
    Estou gostando muito de ler a sua historia, um grande exemplo para muitos. Imagino a boa criação que teve, suportou a perda paterna com muita coragem e foi a luta bem cedo, recusou as drogas e bebidas e depois se dedicou aos estudos, e por ser inteligente e dedicado acho um grande professor que deu o seu devido valor e com isso conseguiu da aulas particulares e comprar com seu proprio esforço uma chuteira e imagino outras coisas que queria comprar. Ainda mostrou que deste cedo era bem consciente e um filho amoroso onde não quis perdi nada a sua mãe. Muitos se tornariam uma pessoa revoltada e gracas a Deus não foi o caso. Bela historia de vida. Abraços.

    ResponderExcluir

Postar um comentário