Contidamente, aguardarei!

Não sei o que fazer para que ouça a singela sinfonia que o vento carrega e perceba que é o meu amor revelado em vários tons.
Não sei o que fazer para o fogo do amor  mudar de cor.
Não sei! 

E como não tenho nem ideia de como fomos nos perder no tempo, retirei o relógio, saí devagar e atravessei a rua ao som da vida que passava em velocidade. 
Tirei os chinelos e deixei minhas pegadas na areia branca e quente. 
Na minha frente, a imensidão do mar.
O olhar tentando chegar até o horizonte onde o mar encontra-se com o céu. 
Tudo ali!
Os encontros e desencontros, mas sobretudo a intersecção.

Com o mundo à frente, confessei-me ao mar, ao som das ondas a tocar dentro de meu coração.
- Se não fosse amor, desistiria! 

Contidamente, aguardarei! 
E sei lá, é o tempo todo, o tempo inteiro. 
Quem sabe. De partir ficando ali.
Quem sabe. Vou te esperar aqui. 
Quem sabe.Um dia.

 Cúmplices, dividindo a percepção  do ar, do fogo, do tempo, da terra, da água, nesta vontade intensa de viver e amar! 
°
[ repaginada, qualquer semelhança com fatos ou pessoas é uma mera coincidência"...ou não!]
°

Obrigado,

Comentários

  1. Boa tarde Felisberto.
    Aproveitando uma folga sem data para acabar rsrs, ficando na ociosidade, mas confesso estou gostando da sensação de não ter compromisso. Vim ler as suas postagens meu amigo. Uma poema lindo, realmente a espera não deve ser algo simples, mas onde existe amor, existe a possibilidade do aguardar uma conciliação. Uma feliz Páscoa. Abraços.

    ResponderExcluir
  2. Oi caro amigo Felis, quanto tempo!

    Parabéns por mais uma bela criação com as palavras, você é 10!
    Uma Páscoa recheada de bençãos de Jesus pra você.

    PS.:Você ñ tem mais seu perfil no Facebook?

    ResponderExcluir
  3. Belo texto poético, Kirido!
    Gostei muito! Esteve bastante inspirado.
    O amor tem essa força estranha de manter acesa
    a chama da esperança.
    Parabéns!
    Feliz Páscoa para você e família!
    Beijo.

    ResponderExcluir
  4. Difícil que um amor acabe... Ele tem as suas 'manhas'. E volta.
    Belo texto, Felisberto.
    Beijo.

    ResponderExcluir

Postar um comentário